Traceroute

Seu IP: Você está utilizando o ip   

Para saber seu IP clique aqui Opção 2 Opção 3 Opção 4 Opção 5

MyWanIPSetup - Programa que mostra o IP válido, 
para quem usa NAT / Roteador, e
tem endereço inválido

Configuração - Verifique a sua configuração

CLASSES de endereços IP

Blocos IP

Roteamento IP

Teste sua conexão - IP Reverso

Reverse DNS Lookup

Traceroute

PING

APIPA = Automatic Private IP Addressing

Testes de Portas

http://www.pcflank.com/scanner1s.htm

http://scan.sygate.com/

http://security.symantec.com/ssc/sc_ipcheck.asp?ax=0&langid=br&venid=sym&plfid=23&pkj=YWJCVMMSPCKNPOFZKRU

Medidores de Velocidade - Links para medidores de velocidade

PortScan - Verifique se suas portas estão abertas

Verifique que portas estão fechadas:

http://www.checkmyports.com/

www.portdetective.com 

Veja os testes de usuários de todo o Brasil

Traceroute: a prova técnica de que o provedor não dá acesso
Veja como as operadoras de telecom enganam o usuário,negando que fazem a conexão de ponta a ponta na internet

As operadoras de telecomunicações sempre lhe disseram que você precisa contratar um provedor de acesso porque elas "não prestam o serviço completo" de conexão do usuário à rede. Isso, porém, não é verdade: testes técnicos como o traceroute demonstram que os provedores de acesso não participam de nenhuma etapa da conexão do usuário à internet.

Trace sua rota

Visualroute EMAIL: belforts@bycable.com.br PIN: 583003

Opus One Traceroute Tool

IP Address Locator Tool

Traceroute

http://200.204.108.152/cgi-bin/traceroute.cgi

http://200.207.188.90/cgi-bin/traceroute.cgi 

O que é traceroute

O traceroute não passa de um comando, realizado em qualquer computador, que detecta por que linhas e computadores passa um determinado pacote de dados até chegar a outro computador. Ou seja, o traceroute —como diz seu nome em inglês— "traça a rota" entre dois computadores. Se eu escrever tracert www.yahoo.com, o comando traceroute mostrará todos os locais por onde passariam os meus dados até chegar ao servidor do Yahoo, nos Estados Unidos.

Alternativa: use o Sam Spade (1801 KB) - uma ferramenta que pode ajudar a localizar os remetentes de spam. Muitas ferramentas, como nslookup, whois e traceroute, já realizam um trabalho parecido, mas a Sam Spade permite usá-las por meio de uma interface gráfica. Além disso, as informações fornecidas por uma delas podem ser usadas por outra. A ferramenta SMTP Verify ajuda a verificar a validade de um endereço eletrônico, útil para saber se a mensagem faz parte de uma trilha de spam. Outro recurso interessante envia pacotes HTTP para o servidor Web do provedor de tempos em tempos, para manter a conexão discada ativa. Também faz parte do pacote um navegador Web. Uma consulta ao site abuse.net também identifica se um endereço de e-mail está listado em sua base de dados.

Para que serve

Bom, mas para que serve o traceroute no nosso caso? Muito simples: ao realizarmos o traceroute em qualquer computador ligado a um serviço de banda larga (como Speedy, Vírtua ou TVA Acesso Rápido), poderemos constatar que todos os computadores entre a casa do usuário e o tronco central da internet (backbone) pertencem à operadora de telecomunicação dona do serviço ou a uma operadora de telecom de longa distância. Em nenhum momento os dados do usuário passam por computadores de um provedor de acesso. Conclusão: o provedor não tem nenhum papel na conexão. Quem realiza o serviço todo é a operadora de telecomunicação.

Faça você mesmo

Qualquer um pode realizar o traceroute em sua casa. O teste é simples e rápido de fazer. Se você é usuário do Windows, basta abrir o programa DOS, enquanto conectado à internet, e digitar em seguida: tracert www.yahoo.com [aperte ENTER]

Uma relação de endereços de internet e números IPs (como 200.253.246.10) aparecerá na tela. Por exemplo:

C:\>tracert www.yahoo.com
Rastreando a rota para www.yahoo.akadns.net [64.58.76.227]
com no máximo 30 saltos:

 1    27 ms    26 ms    27 ms  1001.virtua.com.br [200.183.100.1]
 2    26 ms    29 ms    26 ms  2237.virtua.com.br [200.212.223.7]
 3    32 ms    27 ms    29 ms  ebt-G11-0.embratel.net.br [200.230.219.209]
 4    32 ms    33 ms    29 ms  ebt-P3-0.embratel.net.br [200.230.0.141]
 5   158 ms   163 ms   155 ms  POS1-2.GW5.ATL5.ALTER.NET [157.130.89.189]
 6   161 ms   159 ms   160 ms  170.at-5-2-0.XL3.ATL5.ALTER.NET [152.63.82.10]
 7   161 ms   155 ms   162 ms  193.ATM6-0.BR1.ATL5.ALTER.NET [152.63.80.113]
 8   160 ms   159 ms     *     204.255.168.74
 9   181 ms   180 ms   180 ms  acr1-loopback.Miami.cw.net [208.172.98.61]
10   185 ms   181 ms   184 ms  bbr01-g2-0.miam01.exodus.net [64.253.193.1]
11   193 ms   195 ms   200 ms  bbr02-p4-0.atln01.exodus.net [216.32.132.254]
12   193 ms   196 ms   193 ms  bbr01-g2-0.atln01.exodus.net [216.35.162.3]
Imitação de tela do DOS realizando traceroute

Este teste de traceroute, feito de um computador conectado ao Vírtua, mostra que em todos os momentos, até a chegada do pacote de dados à rede da Embratel, a conexão do usuário permaneceu sempre dentro do próprio Vírtua (provas: 1001.virtua.com.br e 2237.virtua.com.br).

Domínio oculto

Há casos em que o usuário não verá um número IP convertido em um endereço de internet que permita identificar a quem pertence a máquina (por exemplo, na linha 9, que possui apenas o número 204.255.168.74). Não se deixe impressionar: para converter qualquer número IP em domínio (ou saber quem é o responsável pela máquina), basta digitar o número IP no campo de busca do site da Fapesp (http://registro.br).

Ou digite nesta página, diretamente, qualquer número IP:
Procure por um nome de domínio
www.
 

Prova inequívoca

O traceroute é aceito como prova inequívoca, do ponto de vista técnico, do trajeto que um pacote de dados faz de um computador até outro. Não resta dúvida, portanto, pelos diversos testes de traceroute fornecidos por usuários de internet à ABUSAR (desde a época do movimento Velocidade Justa), que os provedores de acesso não têm participação nenhuma no processo de acesso.

Trata-se, portanto, tão somente de um cartel formado pelas operadoras de telecomunicações com provedores de acesso em que as operadoras realizam o serviço completo, mas os provedores não reclamam porque recebem por parte dos serviços de "provimento de acesso" embora nada façam. Na repartição da receita, os provedores ficam com cerca de 10% do valor que lhes é pago pelo usuário (embora não prestem nenhum serviço) e o restante é fica com a operadora, que recebe duas vezes pelos serviços de banda larga (do usuário e do provedor). 


PING

Ping é um teste que permite verificar o tempo de resposta entre dois pontos da rededa rede.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Protocolos Internet (TCP/IP)
Camada Protocolo
5.Aplicação HTTP, SMTP, FTP, SSH, RTP, Telnet, SIP, RDP, IRC, SNMP, NNTP, POP3, IMAP, BitTorrent, DNS, Ping ...
4.Transporte TCP, UDP, SCTP, DCCP ...
3.Rede IP (IPv4, IPv6) , ARP, RARP, ICMP, IPSec ...
2.Enlace Ethernet, 802.11 WiFi, IEEE 802.1Q, 802.11g, HDLC, Token ring, FDDI, PPP, Frame Relay,
1.Física Modem, RDIS, RS-232, EIA-422, RS-449, Bluetooth, USB, ...

ping é um programa de computador desenvolvido para ser usado em redes TCP/IP (como a Internet). Ele permite que se realize um teste simples com a finalidade de se descobrir se um determinado equipamento de rede está funcionando e se o mesmo está acessível via rede. Seu funcionamento consiste no envio de pacotes ICMP para o equipamento de destino e na "escuta" das respostas.

Se o equipamento de destino estiver ativo, uma "resposta" (o "pong", uma analogia ao famoso jogo de ping-pong) é devolvida ao computador solicitante.

O autor da ferramenta, Mike Muuss, deu a ele este nome pois lembrava o som que o sonar emitia. (Depois Dave Mills arrumou um significado para a sigla, "Packet Internet Grouper (Groper)", algo como "Procurador de Pacotes da Internet")

A utilidade do ping de ajudar a diagnosticar problemas de conectividade na Internet foi enfraquecida no final de 2003, quando muitos Provedores de Internet ativaram filtros para o ICMP Tipo 8 (echo request) nos seus roteadores. Esses filtros foram ativados para proteger os computadores de Worms como o Welchia, que inundaram a Internet com requisições de ping, com o objetivo de localizar novos equipamentos para infectar, causando problemas em roteadores ao redor do mundo todo.

Outra ferramenta de rede que utilizam o ICMP de maneira semelhante ao ping é o Traceroute.

A saída do ping, e seus primos, geralmente consiste no tamanho do pacote utilizado, o nome do equipamento "pingado", o número de seqüência do pacote ICMP, o tempo de vida e a latência, com todos os tempos dados em milisegundos.

Abaixo um exemplo de saída quando pingamos o servidor wikipedia.com:

$ ping -c 5 wikipedia.com
PING wikipedia.com (130.94.122.195): 56 data bytes
64 bytes from 130.94.122.195: icmp_seq=0 ttl=235 time=284.3 ms
64 bytes from 130.94.122.195: icmp_seq=1 ttl=235 time=292.9 ms
64 bytes from 130.94.122.195: icmp_seq=2 ttl=235 time=289.7 ms
64 bytes from 130.94.122.195: icmp_seq=3 ttl=235 time=282.4 ms
64 bytes from 130.94.122.195: icmp_seq=4 ttl=235 time=272.0 ms

--- wikipedia.com ping statistics ---
5 packets transmitted, 5 packets received, 0% packet loss
round-trip min/avg/max = 272.0/284.2/292.9 ms

Os tipos básicos de ping são:

Tipo Nome                       Referência 
---- ----------------------     -----------------------------------
 0 Echo Reply                   [RFC792]
 1 Unassigned                   [JBP]
 2 Unassigned                   [JBP]
 3 Destination Unreachable      [RFC792]
 4 Source Quench                [RFC792]
 5 Redirect                     [RFC792]
 6 Alternate Host Address       [JBP]
 7 Unassigned                   [JBP]
 8 Echo Request                 [RFC792]
 9 Router Advertisement         [RFC1256]
10 Router Solicitation          [RFC1256]
11 Time Exceeded                [RFC792]
12 Parameter Problem            [RFC792]
13 Timestamp                    [RFC792]
14 Timestamp Reply              [RFC792]
15 Information Request          [RFC792]
16 Information Reply            [RFC792]
17 Address Mask Request         [RFC950]
18 Address Mask Reply           [RFC950]
19 Reserved (for Security)      [Solo]
20-29 Reserved (for Robustness Experiment)     [ZSu]
30 Traceroute                  [RFC1393]
31 Datagram Conversion Error   [RFC1475]
32     Mobile Host Redirect    [David Johnson]
33     IPv6 Where-Are-You      [Bill Simpson]
34     IPv6 I-Am-Here          [Bill Simpson]
35     Mobile Registration Request  [Bill Simpson]
36     Mobile Registration Reply    [Bill Simpson]
37     Domain Name Request          [RFC1788]
38     Domain Name Reply            [RFC1788]
39     SKIP                         [Markson]
40     Photuris                     [RFC2521]
41     ICMP messages utilized by experimental  [RFC4065] mobility protocols such as Seamoby
42-255 Reserved                     [JBP]

Depois de sempre ver um relato aqui e outro ali metendo o pau nos provedores nacionais com relação à ping de jogos ou sites hospedados em servidores para fora do Brasil e como é de meu interesse sempre me informar sobre o assunto, resolvi dar uma pesquisada nesse assunto

Tomando-se sem consideração que grande parte de nosso trafego (principalmente do pessoal com virtua) passa por roteadores da multinacional Global Crossing, fui no site deles e me deparei com uma ferramenta bem interessante para se fazer ping entre os roteadores da própria gblx (Global Crossing), bem como para outros servidores do mundo.

Para quem tiver interesse em dar uma olhada:

http://www.globalcrossing.com/network/network_looking_glass.aspx

Reparem que só o link do Roteador deles de NY (pegando um local mais ou menos “central” dentro dos EUA) para o roteador deles mesmos em SP, já bate nos 115ms de média, se pegar um local mais “próximo”, mas ainda dentro da América do Norte (Miami), fica nos 110ms. Pegando um servidor nacional de grande porte (UOL por exemplo), só pra chegar em um dos roteadores de borda já bate nos 150ms, às vezes um pouco mais.

Um exemplo disso, um ping do router de NY para o meu gateway do virtua aqui beirou os 180~200ms.

Lembrando que tudo isso de “ponto-a-ponto” desconsiderando a latência nos próximos roteadores (hops) depois dos roteadores da Global Crossing, tanto em território americano como do lado de cá, roteadores do virtua, no meu caso, onde a latência é relativamente baixa.

Só lembrando que nem sempre usamos a mesma rota para a América do norte, isso porque – graças a Deus – temos vários links diferentes e redundantes pra lá, dentre eles estão a ATDN (da AOL), da própria Embratel, Intelig e também dentro dos EUA temos a Congent, GBLX, AT&T, dentre inúmeros outros, então isso é bem variável, mas no geral creio que em termos de latência é por aí mesmo.