Home | @busar | FAQ | Notícias | Processos | Imprimir | CADASTRO | ATUALIZAÇÃO | PAGAMENTO | SEU IP : 54.156.82.247
ABUSAR e INTERNET 
Apresentação
Como se inscrever
Benefícios
Atualizar Cadastro
Teste de LOG OFF
Perguntas freqüentes
Links recomendados
Contatos
Custos

Biblioteca
Dados Internet Brasil 
Material de imprensa
Notícias: News Fórum
Notícias publicadas
Termos/Cond. de Uso
Circulares
Linha do Tempo

LEGISLAÇÃO
Justiça
Processos
Regulamentação Anatel
Documentos
Consulta Pública 417

TECNOLOGIA
Manuais
Modems - Configuração
Testes de Velocidade
Conexão/Traceroute
Autenticação
Tutoriais
Tecnologias
VoIP
Portas
Provedores
Antivirus
Hardware Cabos
Linux: dicas de uso
Redes privadas VPN
Softwares (download)
FTP Abusar Pitanga

SEÇÕES
AcesseRapido
ADSL
AJato
BRTelecom
Cabo
Humor
Neovia
Rádio
Sercomtel
StarOne
TV Digital
Velox
Vesper Giro
Virtua

Serviços GDH


Guia do Hardware

Fórum GDH

Serviços ModemClub

SpeedStat
Teste sua conexão
Mostra IP
Descubra seu IP e Host Name
Suporte ModemClub

Fórum Banda Larga

Clube das Redes
Clube do Hardware
ConexãoDLink
Fórum PCs
InfoHELP -
Fórum
Portal ADSL - Fórum
PCFórum
- Fórum
Tele 171

Fale com a ABUSAR
Escreva ao Webmaster
Material de imprensa

Copyleft © 2002 ABUSAR.org
Termos e Condições de Uso

Speakeasy Speed Test

WEBalizer

Webstats4U - Free web site statistics Personal homepage website counter


Locations of visitors to this page
 

Processo PROCOM /MPF - Goiás X Brasil Telecom e GVT

Muda contrato de acesso à rede (Diário da Manhã 13/04/04)

GO bane obrigação de provedor para banda larga (Plantão Info 16/04/04)

BRT já disponibiliza acesso ADSL sem necessidade de provedor

http://www.golivre.org/modules.php?name=News&file=article&sid=127

Suspensa a liminar que garantia aos goianos o direito de usar ADSL sem provedor

http://www.golivre.org/modules.php?name=News&file=article&sid=421

Decisão Processo MPF - Goiás Brasil Telecom e GVT


Fora aos provedores de acesso banda larga

http://www.golivre.org/modules.php?name=News&file=article&sid=234

Pedido de tutela antecipada:

http://www.procon.goias.gov.br/informativos/a_c_adsl_1.htm
http://www.procon.goias.gov.br/informativos/a_c_adsl_2.htm


Quem não se lembra da decisão do juiz de Goiás que determinou aos usuário da brasiltelecom que não seriam mais obrigados a pagar provedor para usar o serviço de ADSL?

Pois bem, acabei descobrindo por um fórum que alem de Goiás, Mato Grosso e Tocantins também se beneficiaram com a decisão.

Moro no Tocantins e neste exato momento estou logado sem precisar de provedor! :D (só felicidade) Veja bem, Usuário: DDD + Numero da Linha Telefônica@turbobrt    (observe bem o final, "turbobrt")

Senha: 6 primeiros dígitos do CPF do titular da linha telefônica
ex.: Usuário: 622245456@turbobrt Senha: 356699

Lembrando que esse login e senha não são para autenticação interna pelo modem ou discador (nestes você vai continuar colocando o de sempre), e sim para autenticação na página da BrasilTelecom que é aberta assim que abre o navegador.


Em  primeiro lugar gostaria de parabenizar pelo site, que além de ser muito interessante é de altissima utilidade pra quem usa internet.  
Em Campo Grande-MS também já se consegue utilizar a Banda larga sem o provedor.  
Fiz o teste e funcionou.
 

A única diferença das instruções de acesso que tem no abusar, é que a senha de autenticação na page da BRT é o numero do CPF inteiro e não apenas os 6 primeiros numeros como está lá.  

Eles devem ter feito isso pra que as pessoas que tivessem acesso a esta informação não conseguissem fazer a autenticação aqui.  
Mas eu fiz e está funcionando perfeitamente.
 
Obrigada e um abraço a todos do site
   
Shirley Costa
 
Campo Grande-MS


From: "ALEXANDRE JENSEN"
To: "ABUSAR
Sent: Friday, July 09, 2004 6:26 PM
Subject: Autenticação - Goiás

Boa noite pessoal,

Suspenderam a decisão judicial em Goiás que desobrigava o uso de provedor para o serviço ADSL da Brasiltelecom, e a operadora está retomando os procedimentos normais a partir de hoje (09/07/2004).

Retificação:

Goiânia-GO, 17 de abril de 2004.

Prezado Presidente,                     

Tem este a finalidade de encaminhar a Vossa Senhoria, cópia da decisão da Justiça Federal de Goiás, que concedeu antecipação de tutela em ação civil pública proposta pelo Procon-GO e não pelo Ministério Público Federal (conforme consta no site abusar). 

Estamos encaminhando esta sentença, bem como a cópia da petição inicial de 46 laudas, a todos Procons do Brasil para que cada um dê entrada em seu respectivo Estado. 

Informo, ainda, que qualquer consumidor que se interessar pode fazer uso da petição inicial do Procon-GO, basta copia-lá em nosso site: www.procon.go.gov.br.                    

Atenciosamente,                     

Antônio Carlos de Lima - Superintendente do Procon-GO.

Procon-GO ganha na Justiça Federal o direito de consumidores acessarem a INTERNET RÁPIDA sem pagar provedor

Procon-GO ganha na Justiça Federal o direito de consumidores acessarem a INTERNET RÁPIDA sem pagar provedor

 ----- Original Message -----
From: "Fátima Chavez Monteiro do Prado"
To: <abusar@abusar.org>
Sent: Tuesday, April 13, 2004 3:09 PM
Subject: CONEXÃO INTERNET - BANDA LARGA - SEM PROVEDOR - DECISÃO JUDICIAL

Decisão do Dr. Jesus Crisóstomo de Almeida - 2ª Vara da Justiça Federal de Goiás.

Foi DEFERIDO o pedido de tutela antecipada, a fim de assegurar a contratação do serviço de conexão de banda larga à internet, independentemente da contratação de provedor.

Segue a decisão:

PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA FEDERAL
SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS
2ª VARA
Processo nº 2003.17089-4
Ação Civil Pública
Autor: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
Réus: BRASIL TELECOM S.A.

DECISÃO

Tratam os autos de ação civil pública proposta inicialmente no Juízo Estadual, pela SUPERINTENDÊNCIA DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS DO CONSUMIDOR - PROCON - GOIÁS em face de BRASIL TELECOM S.A. e GVT - GLOBAL VILLAGE TELECON LTDA, objetivando: a) assegurar a contratação do serviço de conexão de banda larga à internet, independentemente da contratação de provedor, ou com recebimento do serviço de provedor gratuito; b) indenização por danos materiais do valor já pago, em dobro, e por danos morais.

Alega a autora que: 

a) o consumidor que deseja adquirir o serviço de acesso rápido à internet, banda larga ou tecnologia ADSL, denominado TURBO (BRASIL TELECOM) ou TURBONET (GVT), é obrigado pela telefônica a contratar um provedor credenciado por esta, ainda que já tenha outro provedor gratuito; 

b) a imposição da telefônica configura venda casada, prática vedada pelo art. 39, I e IV, do Código do Consumidor; 

c) a contratação do provedor é desnecessária porque a telefônica é que dá acesso à internet; 

d) ao informar ao usuário a obrigatoriedade de contratação do provedor, a telefônica fere o art. 6º, III, do Código do Consumidor; 

e) os artigos 60 e 61 da Lei 9.472/97 apenas conceituam serviço de telecomunicação e serviço de valor adicionado, mas não impedem a telefônica de prestar o serviço de acesso rápido sem a contratação do serviço do provedor; 

f) o serviço de valor adicionado é opcional e pode ser gratuito; 

g) o STJ já se manifestou no sentido de que o serviço de acesso à internet não é de valor adicionado, mas de comunicação; 

h) para acesso à rede basta o provedor de serviço de conexão à internet (PSCI), não havendo que contratar um provedor de serviço de informação (PSI); 

i) o ato das rés ferem os princípios da Lei 9.472/97, Lei Geral de Telecomunicações, principalmente os artigos 3º, 5º e 6º; 

j) os consumidores têm direito à restituição do que pagaram em dobro, nos termos do art. 42 do CDC; 

k) as telefônicas são responsáveis solidariamente pela indevida contratação com as provedoras, de forma que fica ressalvada ação regressiva.

Considerando a presença de interesse da ANATEL, o processo foi remetido para esta Justiça Federal (fls. 50/52).

Citada, a GVT - GLOBAL VILLAGE TELECOM LTDA
apresentou contestação (fls. 73/85), alegando: 

a) impossibilidade jurídica do pedido; 

b) presta serviço de acesso rápido à internet, o qual é distinto do serviço de valor adicionado, este prestado pelos provedores; 

c) não pode ser obrigada a prestar, além do serviço de telecomunicação, o serviço de valor adicionado; d) a lei diz que o serviço de autenticação para acesso à internet é serviço de valor adicionado, diverso do serviço de telefonia; 

d) ninguém é obrigado a fornecer serviço de forma gratuita; 

e) apesar da possibilidade técnica, está impedida legalmente de prestar o serviço de valor adicionado.

A BRASIL TELECOM S.A. apresentou contestação (fls. 107/139) e documentos de fls. 140/293, alegando: 

a) impossibilidade jurídica do pedido, sob o argumento de que a norma nº 04/95 definiu o serviço de conexão à internet como serviço de valor adicionado que possibilita o acesso à internet a usuários e provedores de serviços de informação; 

b) ilegitimidade passiva quanto ao pedido de devolução do que foi pago aos provedores; 

c) no sistema ADSL, por imposição legal, o usuário contrata os serviços da telefônica, que fornece o meio físico para a transmissão de dados, e o serviço do provedor, responsável pela sua conexão com a internet; 

d) o art. 86 da Lei Geral de Telecomunicações exige que a concessionária atue exclusivamente nos serviços de telecomunicações objeto da concessão; 

e) os artigos 61 e 62 da referida lei distinguem os serviços de telecomunicação e de valor adicionado; 

f) o serviço dos provedores não tem natureza de serviço público, é análogo ao serviço de tele-mensagens, não sendo necessária autorização do Poder Público; 

g) a cláusula 1.1 do Contrato de Concessão definiu como seu objeto o serviço telefônico fixo comutado, prestado em regime público, na modalidade de serviço local, de forma que o serviço de acesso à internet foi excluído do objeto da concessão; 

h) a contratação do meio físico e do acesso à internet propriamente dito não configura venda casada, porque é imposição legal, que visa impedir o monopólio das telefônicas; 

i) na contratação com a telefônica, é garantida a livre opção pela contratação de qualquer provedor credenciado, inclusive dos que oferecem serviços gratuitos; 

j) impossibilidade de inversão do ônus da prova face à inexistência dos requisitos do art. 6º do CDC; k) inexistência de danos a serem ressarcidos; 

l) não há como se restituir os valores pagos porque o serviço foi utilizado.

Citada, a ANATEL manifestou-se, às fls. 299/323 e apresentou os documentos de fls. 324/381, alegando: 

a) inépcia da petição inicial, 

b) ilegitimidade passiva; 

c) impossibilidade jurídica do pedido; 

d) os artigos 61 e 62 da referida lei distinguem os serviços de telecomunicação e de valor adicionado; 

e) o serviço de acesso à internet é serviço de valor adicionado; 

f) o item 4.1 da Norma nº 04/95 dispõe quais são os serviços de acesso à internet; 

g) o art. 86 da Lei Geral de Telecomunicações exige que a concessionária atue exclusivamente nos serviços de telecomunicações objeto da concessão; 

h) a BRASIL TELECOM é concessionária, mas a GVT é autorizada, podendo, portanto prestar serviço de valor adicionado; 

i) para a prestação do serviço de valor adicionado, é indispensável a utilização do serviço de telecomunicação; 

j) a necessidade de contratação dos dois serviços é imperativo legal, sendo juridicamente impossível a prestação direta de tal utilidade por parte das empresas de telecomunicações; 

k) a exigência legal visa impedir o monopólio.

É o relatório pertinente.

Decido.

A preliminar de inépcia da petição inicial alegada pela ANATEL não pode ser acolhida.

Com efeito, a petição inicial preenche os requisitos do art. 282 e seguintes do CPC, sendo que o pedido de permissão de contratação do serviço de banda larga independentemente da contratação de provedor, bem com a indenização pela contratação indevida configuram pedidos certos e decorrem logicamente da causa de pedir apresentada.

Rejeito a preliminar.

Passo ao exame da legitimidade passiva ad causam da ANATEL.

A partir da sua criação, a ANATEL - autarquia especial com a função de órgão regulador das telecomunicações - assumiu algumas atribuições do Ministério das Comunicações, restando à UNIÃO apenas
outorgar e renovar as concessões, permissões e autorizações para o serviço de radiodifusão sonora ou sons e imagens, conforme se depreende dos arts. 21, XII, "a", e 223, ambos da CF.

Uma das obrigações do Ministério das Comunicações deslocada para a ANATEL é a de fiscalizar as prestadoras de serviço de telecomunicação na execução do contrato de concessão, conforme verifica-se
do art. 19 da Lei n° 9.472/97, in verbis:

"Art. 19. À Agência compete adotar as medidas necessárias para o atendimento do interesse público e para o desenvolvimento das telecomunicações brasileiras, atuando com independência, imparcialidade,
legalidade, impessoalidade e publicidade, e especialmente:

VI - celebrar e gerenciar contratos de concessão e fiscalizar a prestação do serviço no regime público, aplicando sanções e realizando intervenções;
VII - controlar, acompanhar e proceder à revisão de tarifas dos serviços prestados no regime público, podendo fixá-las nas condições previstas nesta Lei, bem como homologar reajustes;
XVIII - reprimir infrações dos direitos dos usuários.".

Assim, em se tratando de demanda, na qual se questiona a forma de prestação dos serviços de telecomunicação, a agência reguladora deve, necessariamente, integrar a lide, de forma que rejeito a
preliminar de ilegitimidade passiva.

Passo à análise da alegação de impossibilidade jurídica do pedido.

A melhor doutrina fixou o entendimento segundo o qual, no Processo Civil, pedido juridicamente possível é aquele que não se encontra vedado por lei.

Não há vedação legal a que se busque impedir venda casada de serviços e indenização por danos materiais e morais.

A definição quanto a legalidade ou não da prestação do serviço de acesso à internet sem a contratação do serviço de valor adicionado é questão que está a exigir a análise do mérito.

Assim, como o pedido formulado não se encontra vedado pelo ordenamento jurídico há que se afastar a preliminar de pedido juridicamente impossível.

Rejeito a preliminar.

Analiso o pedido de antecipação dos efeitos da tutela.

Considerando-se que a demanda veicula pedido de obrigação de fazer pertinente à relação de consumo, a antecipação de tutela será analisada, com base no art. 84 do CDC, o qual dispõe sobre tutela específica da obrigação de fazer.

Nos presentes autos, busca-se a antecipação da tutela para assegurar a contratação do serviço de conexão de banda larga à internet, independentemente da contratação de provedor, ou com recebimento do serviço de provedor de forma gratuita.

O cerne da questão trazida a juízo diz respeito à possibilidade de acesso à internet sem a utilização do serviço prestado pelas provedoras, ou seja, somente com a utilização do serviço prestado pelas empresas de telecomunicação.

A parte autora sustenta a possibilidade física e jurídica de acesso sem a intervenção das provedoras.

Inicialmente, deve ser salientado que, em nenhum momento, nos presentes autos, foi negada a possibilidade técnica e física do acesso à internet somente com a utilização do serviço ordinariamente prestado pelas empresas de telecomunicação, incluída a distribuição dos protocolos de internet (I.P.) aos usuários.

Assim, resta controversa tão-somente a questão da possibilidade jurídica.

A Lei Geral das Telecomunicações (Lei 9.472/97) dá as definições dos serviços, distinguindo serviço de telecomunicação do serviço de valor adicionado:

"Art. 60. Serviço de telecomunicações é o conjunto de atividades que possibilita a oferta de telecomunicação. 

§ 1° Telecomunicação é a transmissão, emissão ou recepção, por fio, radioeletricidade, meios ópticos ou qualquer outro processo eletromagnético, de símbolos, caracteres, sinais, escritos, imagens, sons ou informações de qualquer natureza.
§ 2° Estação de telecomunicações é o conjunto de equipamentos ou aparelhos, dispositivos e demais meios necessários à realização de telecomunicação, seus acessórios e periféricos, e, quando for o caso, as instalações que os abrigam e complementam, inclusive terminais portáteis".

"Art. 61. Serviço de valor adicionado é a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações.
§ 1º Serviço de valor adicionado não constitui serviço de telecomunicações, classificando-se seu provedor como usuário do serviço de telecomunicações que lhe dá suporte, com os direitos e deveres inerentes a essa condição.
§ 2° É assegurado aos interessados o uso das redes de serviços de telecomunicações para prestação de serviços de valor adicionado, cabendo à Agência, para assegurar esse direito, regular os condicionamentos, assim como o relacionamento entre aqueles e as prestadoras de serviço de telecomunicações".

As rés fundamentam a imprescindibilidade da contratação da empresa de telecomunicação nos referidos artigos e no art. 86 da LGT, que estabelece, in verbis:

"Art. 86. A concessão somente poderá ser outorgada à empresa constituída segundo as leis brasileiras, com sede e administração no País, criada para explorar exclusivamente os serviços de telecomunicações
objeto da concessão.
Parágrafo único. A participação, na licitação para outorga, de quem não atenda ao disposto neste artigo, será condicionada ao compromisso de, antes da celebração do contrato, adaptar-se ou constituir empresa com as características adequadas".

Da análise dos dispositivos transcritos, evidencia-se que as empresas de telecomunicação, quando prestam o serviço de conexão à internet, na modalidade de serviço de transporte de dados em alta velocidade - tecnologia ADSL - enquadram-se no serviço de telecomunicação conceituado no art. 60, o qual inclui a conexão física e distribuição do I.P. (internet prolocolo) para acesso.

Por outro lado, as provedoras, ao prestarem o serviços de conteúdo, tais como informações, anti-vírus, correio eletrônico, pastas para arquivos e outros serviços de valor adicionado, enquadram-se no disposto no art. 61.

Não se pode admitir o enquadramento do acesso ao serviço de conexão à internet como serviço de valor adicionado, tendo em vista que aquele (o acesso) diz respeito à própria transmissão de informações, e não ao mero acréscimo de utilidades.

Ora, se o serviço de conexão à Internet não se enquadra no conceito de valor adicionado, e se tecnicamente não há necessidade da utilização dos serviços de um provedor de conexão à Internet para que o usuário acesse a rede através do TURBO ou TURBONET, não há que se falar em imprescindibilidade da contratação da empresa provedora.

Passo à análise do periculum in mora.

O segundo requisito para concessão da medida pleiteada encontra-se igualmente presente. Com efeito, a manutenção da possibilidade da venda casada, causará prejuízos a uma coletividade de usuários que estão a pagar por um serviço desnecessário.

Assim, a empresa provedora do serviço de conexão à internet não deve coagir, por qualquer meio ou artifício, o consumidor a contratar os serviços de um provedor de mero conteúdo, por caracterizar a repudiada prática de venda casada de produtos.

Deve ser ressaltado que não se está obrigando a empresa de telecomunicação a prestar nenhum serviço adicionado, mas, tão-somente, o serviço técnico, físico de conexão à rede de computadores, bem como a disponibilização dos protocolos de internet (I.P.) aos usuários.
Desse modo, se o consumidor necessitar de algum serviço de valor adicionado, poderá buscar uma provedora, prestadora de serviço de valor adicionado.

Do exposto, DEFIRO o pedido de tutela antecipada, a fim de assegurar a contratação do serviço de conexão de banda larga à internet, independentemente da contratação de provedor.

Determino à BRASIL TELECOM S.A. e GVT - GLOBAL VILLAGE TELECON LTDA que:

a) informem aos usuários a prescindibilidade da contratação de provedor para o acesso à internet rápida;

b) retomem a prestação do serviço de telecomunicação, cujo cancelamente se deu em razão de ausência de
contratação de provedor.

c) abstenham-se de cancelar o serviço de acesso rápido à internet aos usuários que rescindirem o contrato com os provedores.

Fixo multa diária de R$100.000,00 (cem mil reais) por descumprimento desta decisão.

Intime-se a parte autora para manifestação sobre as contestações. Após, ouça-se o MPF.

Intimem-se.

Goiânia, 12 de abril de 2004.

Jesus Crisóstomo de Almeida
JUIZ FEDERAL

Google

Digite os termos da sua pesquisa
   
Enviar formulário de pesquisa 

Web www.abusar.org
KoriskoAnim.gif

Internet Segura

Teste a qualidade de sua conexão Internet

abusarXspeedy.jpg (29296 bytes)

AGE - OSCIP

Limite de Download

DICAS

Você pode ser colaborador da ABUSAR
Envie seu artigo, que estudaremos sua publicação, com os devidos créditos !

Compartilhamento de Conexão

Alteração de Velocidade

Mudança de Endereço mantendo o Speedy Antigo

Cancelando o Speedy

Comparação entre Serviços de Banda Larga

Qual a melhor tecnologia da banda larga?

Como saber se seu Speedy é ATM, Megavia, PPPOE ou Capado (NovoSpeedy)  

Guia para reduzir gastos Telefônicos

Economizando Megabytes em sua Banda Larga

"Evolução" dos Pop-ups do Speedy

SEGURANÇA

Crimes na internet? Denuncie

Segurança antes, durante e depois das compras

Acesso a bancos
Uma ótima dica, simples mas muito interessante...

Curso sobre Segurança da Informação

Uso seguro da Internet

Cartilha de Segurança para Internet
Comitê Gestor da Internet

Guia para o Uso Responsável da Internet

Dicas de como comprar
com segurança na internet

Site Internet Segura

Dicas para navegação segura na Web

Proteja seu Micro

DISI,jpg
Cartilha de segurança para redes sociais

Cartilha de segurança para Internet Banking

Cartilhas de Segurança CERT

  1. Segurança na Internet
  2. Golpes na Internet
  3. Ataques na Internet
  4. Códigos Maliciosos (Malware)
  5. SPAM
  6. Outros Riscos
  7. Mecanismos de Segurança
  8. Contas e Senhas
  9. Criptografia
 10. Uso Seguro da Internet
 11. Privacidade
 12. Segurança de Computadores
 13. Segurança de Redes
 14. Segurança em Dispositivos Móveis

Proteja seu PC
Microsoft Security

AÇÃO CIVIL PÚBLICA - MPF
HISTÓRICO
- Processo - Réplica - Quesitos - Decisão

Quer pôr fotos na Web e não sabe como?

Mantenha o Windows atualizado (e mais seguro) !

Tem coisas que só a telecômica faz por você !

Terra

Rodapé


Fale com a ABUSAR | Escreva ao Webmaster | Material de imprensa
Copyright © 2000 - 2009 ABUSAR.ORG. Todos os direitos reservados.
Termos e Condições de Uso
www.abusar.org - www.abusar.org.br

 Search engine technology courtesy FreeFind