Entendendo problemas com conexões Banda Larga.

Por: Henrique Rodrigues - 3 de agosto de 2006 - Keywords: ADSL, PPPoE, Dlink.

A parte de DSL Parameters deste tutorial é valida para qualquer router de internet, seja Dlink, 3Com, Alcatel, UsRobotics, acessando a interface de configuração disponível no IP do hardware ex: http://10.1.1.1 ou http://192.168.1.1

A parte de Autenticação e Logs é válida para os modems que utilizem PPPoe/PPPoa que estejam utilizando o modo Routed, haja visto que os controles de autenticação para os hardwares utilizando o modo Bridge (1483 Encapsulated) são feitos pelo discador.

Os parâmetros DSL são responsáveis por uma conexão xDSL de qualidade, pois se não estiverem em níveis pré estabelecidos poderão causar erros que decorrem de retransmissão de pacotes, o que pode ser refletida para o usuário como lentidão na conexão.

Outro fato comum é encontrar nestes parâmetros a razão de instabilidade no link, pois a conexão fica constantemente caindo e restabelecendo. Geralmente isso se deve a emendas mal feitas, gambiarras ou fios velhos, e o nome utilizado em alto nível para descrever estes problemas de forma limitada pelas operadoras, simplesmente como Qualificado ou não qualificado.

SNR Margin: (Signal Noise Relation) – Relação Sinal/Ruído, é a diferença medida em dB entre o sinal e o ruído.

Ou seja: Se a diferença entre o sinal e o ruído forem muito pequenas, torna-se impossível distinguir o que é sinal e o que é ruído.

A relação sinal/ruído geralmente é adotada para indicar também a faixa dinâmica (dynamic range) do equipamento, ou seja, a gama de intensidades que podem ocorrer no mesmo, e que vai desde o menor sinal (que está próximo do "piso" do ruído) até o máximo sinal sem distorção. Quanto maior, melhor.

Outro parâmetro a ser observado é o LINE ATTEN, que é a atenuação existente na linha, também conhecida por perda na transmissão, ou seja: é desejável que seja o menor possível.

CRC: “Cyclic Redundancy Checking" (CRC) em termos gerais é uma função matemática , para verificar se os dados estão sendo transmitidos com sucesso. Quando há erros CRC, uma nova transmissão pode ser solicitada para aquele pacote.

Ou seja: Se o hardware estiver acusando muitos erros CRC, pode ser evidencia de ruído na transmissão.

Além disso, o router mostra também os canais pré configurados do DSLAM da operadora, no caso abaixo 416kbps para download e 224kbps para upload.

Fig1: Tela Wan/Dsl/DSL PARAMETERS

Estando tudo bem com a linha, não há porque o link ADSL não subir.

Abaixo segue um LOG do Modem Dlink 500G2 em modo router:

System UP: O hardware foi ligado

DSL Interface UP: O hardware reconheceu a linha com sucesso

ATM Vc Up: As redes ADSL são baseadas em ATM, por isso necessitam de um Virtual path e um Virtual channel, não vem ao caso explicar detalhadamente o que são não faz parte do escopo deste estudo, mas cada operadora tem o seu. Em Brasília, utilizamos VP=0 e VC=35 tanto na GVT quanto na Brasil Telecom.

Sending Config Req: Neste pacote, o router envia a solicitação de autenticação.

Config packet received: Neste pacote, o router recebeu a solicitação enviada.

Authentication Successfull: O modem recebeu com sucesso a autenticação e está pronto a navegar, em seguida recebe o IP designado e os 2 servidores DNS que irá utilizar.

*Outra saída possível seria authentication failed. (Verificar o usuário e senha validos) ;c)

Fig2: Tela Admin/Alarm

Os Routers 500T e 500G4 tem outro formato de tela mais atual,

Mas que contém os mesmos parâmetros:

Fig 3: Status/ADSL

Fig4: Status/LOG

Similar à tela do 500G2, mas aqui vemos os termos PADI e PADT packets, que são respectivamente:

PPPoE Active Discovery Initiation (PADI) – O cliente PPPOE envia um pacote de descoberta inicial, para o endereço de broadcast.

PPPoE Active Discovery Offer (PADO) - O servidor PPPOE ou DSLAM deve responder ao PADI com um PADO se ele puder fornecer uma conexão ao solicitante através do endereço Unicast.

PPPoE Active Discovery Request (PADR) - Depois de recebido um PADO, o cliente responde com um PADR enviado ao endereço Unicast do Servidor PPPOE ou DSLAM.

PPPoE Active Discovery Session-confirmation (PADS) - Quando recebe um PADR, a confirmação PADS é enviada de volta ao cliente.

PPPoE Active Discovery Terminate (PADT) – É o pacote de finalização da seção PPPoE.

Aproveitando o artigo sobre PPPoE e respondendo a uma pergunta já conhecida: 
Qual a taxa de transferência nominal e real de um link de 512kbps?

KB/s significa milhares de bytes por segundo, já Kbps significa milhares de bits por segundo. Um byte tem 8 bits; então, para transferir 1 byte por segundo você precisa, no mínimo, de 8 bits por segundo.

512kbps = 512000bps ou 512 mil bits por segundo, mas como o computador grava os bits em bytes:

Se 1 Byte = 8 Bits, temos que:

512/8 = 64KB/s

Esta é a taxa nominal, entretanto a taxa de transferência é afetada por uma série de fatores, um deles é o famoso overhead do encapsulamento.

OVERHEAD DO PPPOE

Para interfacear entre ambientes Lan/Wan, realizando as tarefas de encaminhamento de pacotes entre os diferentes roteadores, ao longo da concatenação de camadas envolvidas são instituídos overheads para controle das informações.

O VALOR PRECISO PARA ESTE CASO É DE 13%

O Encapsulamento consiste em:

ATM (53 octet - 48 octetos de payload, 5 octetos de cabeçalho)
TCP overhead é 24 octetos por MSS (normalmente 1452)
IP overhead é 20 octetos por MTU - PPPoE (normalmente 1492)
PPPoE overhead é 8 octetos por MTU (normalmente 1500 – o tamanho de 1 Frame ethernet)

Então logo:

ATM overhead, é de 9.4 %
TCP overhead é de 1.65 %
IP overhead é de 1.30 %
PPPoE overhead é de 0.53 %

TOTAL = 12.88% de informações necessárias à tecnologia empregada no controle das informações transmitidas.

Calculando, temos que um link de 512kbps -12.88% de Overhead, tem como taxa líquida real de 446.05kbps, ou 55.75 KB/s.

Referencias:

http://www.carricksolutions.com/pppoe.htm

http://www.softwarepatch.com/tips/cyclic-redundancy.html