Telefônica cortou link
com o InternetSP, e usuários ficaram sem acesso e sem explicação

Link Original: http://jpdf.estado.com.br/verpdfEstado.php?E=SP&D=24/11/2003&A=/estadopdf/sp/info/2003/11/24/I06.pdf

picture01.jpg (33723 bytes)O provedor InternetSP anunciou na semana passada que encerrava o serviço que oferecia aos usuários do Speedy, conexão de banda larga da Telefônica. 

Os clientes do provedor estavam sem acesso à internet desde o dia 12. 

O call center ficou congestionado e muitos não sabiam o que estava acontecendo.

O site da empresa saiu do ar e voltou na terça-feira, comunicando o fim do serviço aos usuários do Speedy. 

Procurada pelo Informática, a diretoria do InternetSP não quis explicar a situação. 

No site da Associação Brasileira de Usuários de Acesso Rápido (Abusar), porém, a empresa se manifestou: “a Telefônica Empresas S/A, movida por interesses comerciais e sem justa causa, desligou os terminais de conexão (links) da empresa Internet São Paulo Network Ltda., interrompendo os serviços de telecomunicações e impedindo o acesso dos usuários à rede internet.”

A Telefônica declarou ao Informática que o motivo do corte do link foi o descumprimento de cláusulas do contrato. A empresa também afirma que a InternetSP foi notificada de que o link seria cortado. 

A empresa defende que responsabilidade de avisar o cliente da interrupção do serviço não era da Telefônica. “Cabe ao provedor comunicar a seus clientes qualquer informação relacionada ao serviço de acesso à internet por ele prestado.”

Ninguém avisou – Enquanto as empresas se desentendem, quem paga o pato mesmo é o usuário do Speedy.

Quando percebeu que não conseguia mais se conectar, o analista de sistemas Fábio Côa tentou falar com o InternetSP. 

Depois demuita insistência, desisitiu e foi buscar esclarecimentos com a Telefônica. 

“Eles disseram que o problema era com o provedor e que não podiam fazer nada”, conta.

“Ficar sem explicações foi muitodesgastante.”

Fábio só conseguiu informações quando entrou em contato com a Abusar, da qual é associado. 

Ciente da situação do InternetSP, ele decidiu procurar outro provedor, mas se deparou com um problema: nem todos aceitavam clientes dentro do modelo “antigo” do Speedy, que não impõe limite de tráfego. 

O Novo Speedy, lançado em setembro, determina uma cota de dowloads por mês. Depois de fazer uma pesquisa, Fábio resolveu assinar o provedor iOnline, que cobra R$ 31,50 por mês.No InternetSP, ele pagava R$ 29,90. A Picture Internet, empresa que está assumindo a carteira de clientes do InternetSP, cobra R$ 65 de usuários do modelo antigo. “Acho um absurdoeste preço!”, indigna-se. 

O sócio da Picture, Marcelo Abdo, explica que o preço da assinatura é esse porque o provedor precisa repassar R$ 48 por cliente para a Telefônica. 

A taxa é cobrada porque o provedor contrata infra-estrutura da Telefônica para levar o cliente à internet.

Segundo ele, 6 mil usuários do InternetSP assinavam o modelo antigo do Speedy. 

“A maioriada base do InternetSP assina o modelo antigo”, disse.

O funcionário público Marco Cipolla também não foi avisado de que sua conexão seria interrompida e só ficou sabendo que acontecia por meio de grupos de discussão que participa. 

“Era obrigação do provedor e da Telefônica avisar seus clientes”, reclama.

Cipolla é usuário do modelo antigo e assinou o iOnline. 

Só vale a pena assinar o Speedy se não houver limite de tráfego”,disse. (K.A.)