Internet

http://www.estado.com.br/editorias/2003/02/24/leitores030224.html
 
Segunda-feira, 24 de fevereiro de 2003
 
A Telefônica de São Paulo perdeu em segunda instância o recurso que ela própria havia impetrado para não conceder acesso à internet aos usuários de seu sistema denominado Speedy, de banda larga, sem que o cliente pague também um provedor de acesso. Exigir que alguém pague duplamente pelo acesso à internet, só no Brasil. Aliás, causaria estranheza se isso acontecesse em outro país, como a Espanha, por exemplo, mas por aqui tudo é possível. Será que as autoridades não poderiam intervir neste assunto mais seriamente? A internet não é hoje quase indispensável? Até quando vamos ficar neste impasse? Ademir Valezi ( adevale@uol.com.br ), São Paulo No Brasil, o acesso à internet é uma tragédia. As empresas de telefonia não investem. Quanto mais congestionada a linha, mais as empresas faturam, porque demora até abrir e-mail, website. Não há interesse em investir, mas apenas no "lucro rápido". Estamos desconectados do mundo. Em Curitiba é uma tragédia, não há opção. Apenas gastar impulsos, sem conseguir entrar na internet. Lotar Kaestner ( guidelotar@bol.com.br ), Curitiba